PUB

Autarquia de Oliveira de Azeméis
Tradição vidreira candidata a património cultural da Unesco

23-5-2019, Oliveira de Azeméis     290
Foto Artigo

O município de Oliveira de Azeméis vai candidatar a Património Cultural Imaterial da Unesco a “Tradição Vidreira e a Evolução Industrial” de forma a preservar o passado de uma indústria que laborou no concelho entre os séculos XVI e XX.

O presidente da câmara, Joaquim Jorge Ferreira, afirmou hoje, em conferência de imprensa, que o primeiro passo para este processo já foi dado com a inscrição da história e cultura do vidro no inventário nacional do património cultural imaterial da Direção Geral do Património Cultural.

“Este é o passo que permitirá avançarmos com a candidatura”, explicou Joaquim Jorge Ferreira, sublinhando que o trabalho arrancou no início do 2018 com a criação de uma equipa multidisciplinar que efetuou recolha de informação e aprofundou as origens da indústria do vidro.

“O vidro é uma marca identitária do concelho e esta memória coletiva é fundamental enquanto legado histórico que queremos deixar às gerações vindouras e como elemento de afirmação e notoriedade da nossa indústria e da nossa realidade sócio cultural e económica”, sublinhou.

“O objetivo da candidatura é salvaguardar o legado que nos foi deixado e a importância que essa indústria teve no concelho e na formação da sua identidade”, disse.

O autarca de Oliveira de Azeméis explicou que a intenção é recriar a história desta indústria desde a fábrica do Covo até às unidades industriais dos moldes recorrendo quer ao Centro Interpretativo do Vidro quer a outras respostas que sejam criadas, dando ao projeto uma dimensão turística. Desde que foi criada, a indústria do vidro prosperou no concelho ganhando uma dimensão ímpar e influenciando o aparecimento de outras indústrias como a dos moldes.

Joaquim Jorge Ferreira recordou o alvará régio de 1528 que concedeu à fábrica do Covo, em Oliveira de Azeméis, o privilégio de ser a primeira unidade a produzir vidro em Portugal. A atividade vidreira prosseguiu com outras unidades, a última das quais o Centro Vidreiro do Norte de Portugal que chegou a empregar cerca de 800 funcionários.

No âmbito da candidatura, a autarquia realiza, no próximo dia 28 de maio, o seminário internacional “História e Cultura do Vidro na Identidade de um Povo”, com a participação de investigadores de Portugal, Espanha e Itália.



zibiz.net